GOVERNADOR FLÁVIO DINO: INVESTINDO NO MARANHÃO QUE DAR CERTO

Esse é um exemplo, dentre vários, da seriedade com que estamos implementando ações para valorizar a educação maranhense, tendo como centro o objetivo de que nossos alunos aprendam mais. Acreditamos que a construção de um Estado com mais justiça social só se faz assim: com investimentos continuados e prioritários em educação. Esse é o caminho que, ao longo da história das nações, tem se mostrado mais eficiente para dar melhores condições de vida à população. Embora pareça ser um caminho mais demorado, é sem dúvidas aquele que dá ao cidadão a oportunidade de transformar sua própria vida e do ambiente ao seu redor, impactando em outras políticas públicas, como saúde e segurança.Por isso, mesmo diante da grave crise econômica que o país enfrenta, nosso Governo investe fortemente em Educação para dar aos cidadãos maranhenses mais oportunidades. As frentes de ação são diversas, a começar pelo cartões do programa Bolsa-Escola, um dos mais importantes compromissos que assumimos com a população nas eleições e que já estão chegando na casa dos beneficiários. Com o cartão magnético,  centenas de milhares de crianças que nunca tiveram seu próprio caderno ou calçado para ir à escola poderão frequentar o espaço escolar em melhores condições. Ou seja, o Bolsa-Escola é um passo a mais na busca de verdadeira igualdade de chances para todos.

Na infraestrutura escolar, estamos fazendo o maior programa de investimento da história do Maranhão, com mais de R$ 500 milhões para construção e reformas de escolas. Com os três primeiros Institutos Estaduais de Educação, Ciência e Tecnologia (Iemas) em funcionamento a partir de fevereiro, damos mais um importante passo na evolução dos indicadores educacionais. Com 440 vagas oferecidas no primeiro ano, o Maranhão deixa o patamar zero em educação profissional e tecnológica na rede estadual. Até 2018, serão 23 Institutos Estaduais espalhados por todas as regiões, complementando a rede dos Institutos Federais.

São também os estudantes de escolas públicas os beneficiários de outro programa libertador: o Cidadão do Mundo. Com ele, alunos de 18 a 24 anos poderão fazer cursos de idiomas em outros países, experimentando novas vivências culturais e aprimorando conhecimentos, tendo acesso a saberes antes restritos a jovens de maior poder aquisitivo.

Com essas e outras iniciativas, nossa Educação vai ganhando um novo rumo, desta vez com metas a serem alcançadas, tendo como foco central dar condições dignas para que cada aluno possa ter o direito de sonhar e realizar seus sonhos em plenitude. Assim, vamos trilhando o caminho  para construir o Maranhão que dá certo.

Deixe uma resposta