CAI O PRESIDENTE DA FIFA!! BLATTER RENUNCIA QUATRO DIAS APÓS TER SIDO REELEITO

Quatro dias após ser reeleito para um quinto mandato como presidente
da Fifa, Joseph Blatter renunciou ao cargo, nesta terça-feira. Ele
convocou o Comitê Executivo de forma extraordinária para escolher um
novo mandatário.
“Vou continuar a exercer minha função como
presidente até um novo ser escolhido. O próximo congresso demoraria
muito. Esse procedimento será de acordo com os estatutos”, afirmou o
dirigente suíço, desde 1998 à frente da Fifa.
Blatter disse que
não estava com o apoio necessário para seguir como presidente do órgão
mais importante do futebol mundial. Assim, o comitê executivo
extraordinário será convocado entre dezembro deste ano e março do
próximo para a escolha do novo mandatário.
A entidade caiu em
descrédito na última quarta-feira, dois dias antes da eleição
presidencial, quando sete membros do comitê executivo foram presos
acusados de corrupção. Muitas federações pediram o adiamento do pleito, o
que não aconteceu.
Blatter acabou vencendo o único candidato de
oposição, o príncipe da Jordânia Ali bin Al-Hussein, depois de a eleição
não ter acabado no primeiro turno e o adversário ter desistido de uma
nova rodada de votação.
O suíço afirmou que as prisões ajudavam a
limpar a Fifa, mas na última segunda-feira seu principal braço-direito,
Jerome Valcke, foi acusado de ter dado autorização para que 10 milhões
de dólares de um fundo da Associação de Futebol da África do Sul (Safa)
fossem para o vice-presidente da Concacaf, Jack Warner, um dos detidos
pelo caso de corrupção revelado pelo Departamento de Justiça dos Estados
Unidos.
Curiosidade: após conquistar seu quinto mandato para a
presidência da Fifa, Joseph Blatter foi questionado se pensou em
renunciar ao cargo. A resposta: “Por que deveria renunciar? Isso seria
como reconhecer que fiz algo ruim”.
Discurso na íntegra da renuncia de Blatter:
Eu tenho refletido profundamente sobre minha presidência e sobre
os 40 anos nos quais minha vida tem estado inseparavelmente ligada à
Fifa e ao grande esporte do futebol. Eu cuido da Fifa mais do que
qualquer coisa e quero fazer apenas o que for melhor para a Fifa e para o
futebol. Eu me senti compelido a me candidatar à reeleição, pois eu
acredito que essa era a melhor coisa para a organização. Essas eleições
acabaram, mas os desafios da Fifa, não. A Fifa precisa de uma inspeção
profunda. Apesar de eu ter um mandato dos filiados da Fifa, eu não sinto
que tenha um mandato para o mundo inteiro do futebol – os torcedores,
os jogadores, os clubes, as pessoas que vivem, respiram e amam futebol
tanto quanto nós todos na Fifa. Por isso, eu decidi entregar meu mandato
para o congresso de eleição extraordinário. Eu continuarei a exercer
minhas funções como presidente da Fifa antes dessa eleição. O próximo
Congresso acontecerá em 13 de maio de 2016 na Cidade do México. Isso
poderia criar um atraso desnecessário, e eu acelerarei o Comitê
Executivo para organizar um Congresso Extraordinário para a eleição de
meu sucessor na oportunidade mais breve. Isso precisará ser feito de
acordo com os estatutos da Fifa, e nós devemos permitir o tempo
suficiente aos melhores candidatos para se apresentarem e fazerem
campanha. Como eu não serei um candidato – e estou, portanto, agora
livre das restrições que as eleições inevitavelmente impõem -, serei
capaz de me concentrar na condução de longo alcance, reformas
fundamentais que transcendem os nossos esforços anteriores. Por anos,
nós trabalhamos duro para colocar em prática reformas administrativas,
mas está claro para mim que enquanto isso deve continuar, eles não são o
bastante. O Comitê Executivo inclui representantes de confederações nas
quais nós não temos controle, mas para essas ações a Fifa é
responsável. Nós precisamos de mudança estrutural nas raízes mais
profundas. O tamanho do Comitê Executivo deve ser reduzido, e seus
membros devem ser eleitos através do Congresso da Fifa. As verificações
de integridade para todos os membros do Comitê Executivo devem ser
organizadas centralmente através da Fifa e não através das
confederações. Nós precisamos limitar reeleições não apenas para o
presidente, mas para todos os membros do Comitê Executivo. Eu lutei por
essas mudanças antes e, como todos sabem, meus esforços foram
bloqueados. Desta vez, eu vou conseguir. Eu não posso fazer isso
sozinho. Eu pedi a Domenico Scala para dirigir a introdução e a
implementação de essas e outras medidas. Sr. Scala é o presidente
independente de nosso Comitê de Auditoria eleito pelo Congresso da Fifa.
Ele é também o presidente do comitê eleitoral e, assim, ele organizará a
eleição do meu sucessor. Sr. Scala goza da confiança de uma grande
quantidade de constituintes dentro e fora da Fifa e tem todo o
conhecimento e experiência necessários para ajudar a fazer essas
reformas maiores. É meu profundo carinho pela FIFA e pelos seus
interesses, o que eu apoio candidamente, que me levou a tomar esta
decisão. Eu gostaria de agradecer àqueles que sempre me apoiaram de uma
maneira construtiva e leal como presidente da Fifa e que fizeram muito
pelo jogo que nós todos amamos. O que importa para mim mais do que
qualquer coisa é que quando tudo isso acabar, o futebol é o vencedor
.

Deixe uma resposta