CURURUPU – A TRISTE REALIDADE DE UM SONHO, ASSIM QUE ELES TRATAM A COISA PUBLICA

Abandonado e Afundado no Porto de
Cururupu, Com o Casco Apodrecido e as Tábuas Comidas Por Turus.

Assim Saiu no: IMIRANTE.COM E O ESTADO DO MA – Dia 26/08/2003.
Projeto será lançado no próximo dia 30 em Cururupu.
Barco-Escola Levará Informações às Ilhas
da Região dos Lençóis
Quarenta e três jovens do município de
Cururupu vão levar informações sobre cidadania e mostrar que o desenvolvimento
sustentável é possível às crianças e jovens das ilhas da Região dos Lençóis
Maranhenses.
O trabalho será feito por meio do “Projeto Barco-Escola”, a ser
lançado no próximo dia 30, no município, pelo Instituto do Homem, em parceria
com a Agenda 21 local.
A princípio, cinco das 23 ilhas de
Cururupu, pertencentes à Floresta dos Guarás, serão inseridas no projeto. 

São elas: Guajerutiua, Valha-me Deus, Porto Alegre, Bate Vento e Lençóis. 

Os moradores destes locais terão acesso a informações, treinamentos e ações em
variadas áreas.
Para o trabalho, foi construído um iate
– respeitando as características das embarcações locais – com 15 metros de
comprimento e capacidade para 10 toneladas. 

A embarcação tem dois mastros e três velas, convés duplo, assoalho, passadiço e
casario.
A cabine foi adaptada para receber
equipamentos de informática e audio-visuais. 

Há também banheiros ecológicos, compartimentos conversíveis em dormitórios,
armários e biblioteca. 
A construção do barco contou com a assessoria técnica do engenheiro Phelipe
Andrès e do construtor naval artesanal de Cururupu, José da Paixão Pereira, o
Mestre Belo.
De acordo com a coordenadora do Projeto
Barco-Escola, Priscilla Araújo, a embarcação terá um papel fundamental no
desenvolvimento dos trabalhos, não somente pela questão do transporte às ilhas.

O “Barco-Escola” foi inspirado no
Projeto Missão Terra: o Resgate do Planeta – Agenda 21, feito por crianças e
jovens em mais de 100 países e desenvolvido pela organização Peace Child
International em parceria com a ONU por meio do Unicef.

One thought on “CURURUPU – A TRISTE REALIDADE DE UM SONHO, ASSIM QUE ELES TRATAM A COISA PUBLICA

Deixe uma resposta